GENEALOGIA BRASILEIRA
Estado do Rio de Janeiro - Povoadores da Região Serrana

Família MORAES COUTINHO

                             Lênio Luiz Richa (lenioricha@yahoo.com.br)

 

 

          Manuel de Moraes Coutinho, n. Freguesia de São Sebastião da Vila de Toiro, bispado de Lamego, Concelho de Vila Nova de Paiva, Viseu, Portugal, f. com testamento em 1777, na sua Fazenda Cataguases (que já lhe pertencia em 1722), em Nossa Senhora da Lapa dos Olhos d’Água, Prados, Estado de Minas Gerais, Brasil, cerca de uma légua da cidade. Era f. de Antônio de Moraes, n. da freguesia de Toiro, onde f. com testamento em 1727, e Ana João ou de Carvalho (2ª esposa).
          Segundo o seu testamento, quando faleceu tinha cunhadas ainda solteiras, uma fazenda (provavelmente a mesma acima) em litígio com os herdeiros de Bernardo da Silva Costa, vizinha de Francisco José Ferreira de Souza, José Rodrigues Lima e Joaquim Gonçalves, outra "ao pé do Rio de São Francisco", chamada São Simão, em litígio com Antônio José Vieira e com o cessionário do vendedor, José Teixeira Aranha.
          C. 1ª vez com Margarida Rodrigues, f. 1737, estando sepultada na Capela de NS da Lapa dos Olhos d’Água, filial da Matriz de NS da Conceição de Prados, MG e, 2ª, 1749, na mesma capela, com Ana Nunes da Costa, n. NS da Conceição de Catas Altas, MG, inventariante e 1ª testamenteira do marido, f. de Caetano da Costa Nunes e Luzia de Jesus, com pelo menos (DBB, Luiz Augusto da Silva Júnior e Livro Memória Histórica de Prados, de Dario Cardoso Vale, 1985, Fls. 18):
          Da 1ª esposa:

1.1 Felipa de Moraes Coutinho, n. São João Del Rei, MG, já f. 1777, c. 1739, na Capela dos Olhos d'Água, com Manuel de Magalhães, n. arcebispado de Braga, f. de Santos Gonçalves e Ana Martins, com 5 filhos, todos vivos em 1777 (DBB e Luiz Augusto da Silva Júnior):

2.1 Francisco, n. 1742. 

2.2 Ana, n. 1743.

2.3 Clara, n. 1745.

2.4 José, n. 1747.

2.5 Joaquim, n. 1749.

           Filha natural de Manuel de Moraes Coutinho, enquanto viúvo: 

1.2 Ana Josefa de Moraes, n. 1747, viva em 1777,  “que tenho em minha casa, e que forrei antes de ser casado com minha 2ª mulher, e tenho suspeitas veementes que seja minha filha, pelo que é minha última vontade que entre em igual parte como herdeira nas duas (partes?) da minha meação” (DBB e Luiz Augusto da Silva Júnior).  

           Da 2ª esposa, 3 filhos: 

1.3 Manuel de Moraes Coutinho e Costa, n. 1751, Prados, 2º testamenteiro do pai (DBB).

1.4 Ana Joaquina de Moraes, n. 1754, Prados, f. 1847, Conselheiro Lafaiete, onde c. 1ª vez, 1773, Santo Amaro, atual Queluzito, MG, com Francisco da Costa Xavier (3º testamenteiro do sogro), f. de Francisco da Costa Xavier e Clara Maria, naturais da Sé, Angra do Heroísmo, Ilha Terceira, Açores e, 2ª, com Felisberto Inácio da Silva, f. de Antonio Dutra da Silva e Josefa Inácia do Espírito Santo, da Ilha do Faial, Açores, com pelo menos: (DBB, JR.1.155 e informações gentilmente enviadas pela amiga, genealogista, Cibele Braga, de Belo Horizonte, MG).
           Do 2º marido:

2.2 Felisberto, b. 1791. (JR.1.155).

1.5 Antônio Rodrigues de Moraes Coutinho e Costa (vide Notas n° 1 e 2, no rodapé), n. 1761, Prados, MG (e não Portugal, como consta em diversos autores), f. cerca de 1834, Bonfim, MG, em 1794 era proprietário da Fazenda Campo Alegre, em Queluzito, MG.
          C. 1787, Santo Amaro (atual Queluzito), com Maria Felizarda de Santana ou de Jesus Souza, n. cerca de 1773, Bonfim ou Prados (já no registro do casamento constam, ambos, como naturais de Carijós),  f. antes de 1821, f. de Antônio Rodrigues Braga, n. São Manuel de "Tiraesy Frei?", bispado de Braga, e Felizarda Angélica de Jesus, n. Queluz, MG, e tiveram 10 filhos, dos quais descendem quase todos os Moraes da Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro (AL, DBB, JMV e TC.II.346):
          Relativamente à genealogia deste casal, recebemos, também, inestimável ajuda do senhor Luiz Augusto da Silva Júnior, de Belo Horizonte, MG, descendente do mesmo.

2.1 Antônio Rodrigues de Moraes, primogênito, n. 1794, provavelmente em Queluzito, MG, dono da Fazenda Santa Maria do Rio Grande, São Francisco de Paula, RJ, f. 1833, assassinado em frente à Fazenda das Lavrinhas, em Cantagalo, onde foi inventariado nesse ano.
          C. 1821, no oratório da Fazenda Nossa Senhora da Bonança, com sua prima Basília Rosa da Silva Franco de Moraes, b. 1802, Cantagalo, f. 1884, Baronesa de Duas Barras (que enviuvando c. 1835, com seu cunhado João Antônio de Moraes, Barão de Duas Barras), f. do capitão João Batista Rodrigues Franco e Isabel Maria da Silva Costa, com 5 filhos, ainda pequenos em 1833 (AL, CBG, Int, JMV e MJ):

3.1 Tenente Coronel José Antônio de Moraes, Barão, depois Visconde do Imbé, n. 1824, na Fazenda Santa Maria do Rio Grande e, não, em 1825, em Santa Maria Madalena, como consta de diversos autores (padrinhos: José Joaquim Soares e sua irmã Maria José Lucinda Soares), f. (1890?), Santa Maria Madalena, RJ.
          Subdelegado e juiz de paz, cafeicultor, dono de duas fazendas (uma das quais a Fazenda dos Neves, em São Francisco de Paula, vizinha de Francisco Antônio de Moraes e da situação Capoeira Alta, de  João Batista da Silva Neves, em 1856), e capitalista, em São Francisco de Paula (em sociedade com seu tio e tutor, João Antônio de Moraes, na firma Moraes & Sobrinho).
          Cc. sua prima Leopoldina Maria da Silva Neves ou Leopoldina Neves de Moraes, Viscondessa do Imbé, f. 1901, viúva em (1889?), f. de Domingos José da Silva Neves e Maria Isabel da Silva (em Silva Neves), com entre outros: (AL, AP, DBB, DFB, JMV e TC.II.346).

4.1 Trajano Antonio de Moraes, n. Fazenda Aurora, f. 1911, Comendador, que deu nome ao Município de Trajano de Moraes, proprietário das fazendas: Santo Inácio, Barro Alto e Retiro. (Revista Visão, nº 5, fls. 61).

4.2 Regina Leopoldina de Moraes, n. 1861, Trajano de Morais, b. 1862, f. 1883, na mesma cidade, 1ª esposa do seu primo, o Ten. Cel. Teófilo de Moraes Martins (c. depois com Adelaide Vieira Torres de Moraes Martins, f. de Luís Vieira Torres e Adelaide Casemira Santos Torres, com geração em Lopes Martins), n. Fazenda Não Pensei, em Macuco, b. 1858, Trajano de Morais, que em 1885 libertou os seus escravos com mais de 60 anos “pelos bons serviços prestados”, f. do Major da Guarda Nacional, Francisco Lopes Martins e sua 2ª esposa, Felizarda Lopes da Silva Moraes Martins (em Lopes Martins). (CBG, DBB, Ig e TC.II.131).
- Obs.: Ou o marido seria f. do Major Francisco Lopes Martins “Júnior” e Felizarda da Silva Moraes, segundo Athayde, o que nos pareceu engano.

3.2 Capitão da Guarda Nacional, Francisco Rodrigues de Moraes (em Minas, Francisco Rodrigues de Moraes Cantagalo),  n. na Fazenda Santa Maria do Rio Grande, f. 1871, em sua Fazenda do Rio São João, Itatiaia, deixando 10 filhos vivos, fazendeiro em São Francisco de Paula, cc. sua prima Maria Felizarda de Melo (ou Maria Felizarda de Moraes), n. MG, fct. 1906, em Conquista, aos 81 anos, deixando apenas 4 filhos vivos, f. de Vicente Ferreira de Melo e Antônia Rita de Jesus, com 11 filhos, entre os quais: (AL e JMV):
- Obs.: A maior parte das informações deste ramo foram, gentilmente, enviadas pelo amigo, genealogista, Alan Penido, de Itaúna, MG, o que muito agradecemos.

4.1 Basília Rodrigues de Moraes, c. 1857, com seu tio, o capitão Joaquim Antônio de Moraes, b. 1837, Cantagalo, f. antes de 1909, residentes em São Francisco de Paula, RJ, f. dos Barões de Duas Barras, com 2 filhos: (AL, Escravidão & Engenhos, de João Oscar, FH.221, Int, JMV, TC.I.213, 336 e II.132).

5.1 Aníbal Antônio de Moraes, solteiro e maior de 21 anos em 1909.

5.2 Pedro Antônio de Moraes, solteiro e maior de 21 anos em 1909.

4.2 Vicência Ferreira de Moraes, n. Capela Nova do Desterro, Entre-Rios, f. 1917, Conquista, tinha 55 anos e já era viúva em 1909, cc. Francisco Alves Teixeira, sem geração.
- Obs.: Fez seu testamento em 1905, em Bonfim, sendo testamenteiro Cornélio Pereira Fonseca, cc. sua sobrinha, afilhada e herdeira universal da terça, Alice Pereira Fonseca,  deixando também legado para a afilhada Iracy, filha do seu sobrinho Luís Augusto Silva, e para a afilhada Francisca, cc. Martinho Dias Azedo.

4.3 Antônio Ferreira de Moraes, solteiro com 28 anos em 1871, já f. 1909, cc. (...), e foram pais de:

5.1 Hercília Ferreira de Moraes, com 30 anos em 1909, já era cc. Oswaldo Linch, residente no Rio.

4.4 Romualda Lima Moraes, tinha 53 anos em 1909, cc. o Cap. Ulisses Pacheco Lima, pais de:

5.1 Alcina, legatária no testamento da tia e madrinha Vicência, acima.

4.5 Luísa Rodrigues Moraes (depois Luísa Pereira Moraes), já f. 1909, cc. (João?) Pereira de Melo, pais de:

5.1 João Pereira Melo Moraes, solteiro, 40 anos em 1909.

5.2 Dr. Alcides Moraes, solteiro, 34 anos em 1909.

5.3 Etelvina Ferreira Moraes, 34 anos em 1909, já cc. o Dr. Feliciano Ferreira Moraes, residente em São Francisco de Paula, RJ.

4.6 Laura Rodrigues Moraes (depois Laura Ferreira Moraes), tinha 51 anos em 1909, f. 1919, Itaguara, aos 64 anos, já viúva, cc. Teodoro Manoel Ferreira, f. do Cap. Manoel Ferreira Pinto e Ana Silvéria de São José, com 8 filhos maiores em 1919:

5.1 Amadeu Ferreira Moraes, cc. Joana Antunes Moraes, pais de: Neide Ferreira Moraes, Ceres Ferreira Moraes, Jarbas Ferreira Moraes, Lauro Antunes Moraes.

5.2 Maria Moraes Lima, cc. João Batista Lima.

5.3 Aladim Ferreira Moraes, cc. (...).

5.4 Waldemar Ferreira Moraes, cc. (...).

5.5 Alcides Ferreira Moraes, legatário no testamento da tia e madrinha Vicência, acima.

5.6 Alzira Ferreira Moraes, cc. José Gonçalves Rabelo.

5.7 Norvinda Ferreira Moraes, cc. José Monteiro Lara.

5.8 Etelvina Ferreira Moraes, cc. Doverley Rodrigues Oliveira.

4.7 Manuel Rodrigues Moraes, já f. 1909, cc. (...), pais de:

5.1 Maria Adelaide Moraes, tinha 18 anos e era viúva em 1909, foi legatária no testamento da tia e madrinha Vicência Ferreira Moraes, acima.

5.2 Rita Augusta Moraes, tinha 25 anos e era solteira em 1909.

5.3 João Rodrigues Moraes, tinha 18 anos em 1909, solteiro.

4.8 Amélia de Moraes Lima (ou Amélia Rodrigues Moraes), tinha 48 anos em 1909, cc. seu cunhado Antônio Pacheco Lima, b. 1858, NS das Brotas, Entre Rios, MG, f. 1942, Itaguara, MG, onde residiam, f. de Martinho Pacheco Lima e Luísa Carolina de Oliveira Lima, com entre outros (CBG, DBB, FS e Luiz Augusto da Silva Júnior):

5.1 Ubaldina Lima de Moraes, cc. Luís Augusto da Silva, com geração (CBG). 

4.9 Teófilo Rodrigues Moraes, f. 1906, Itaguara, com testamento feito em 1903, cc. Josefina Leopoldina Moraes, sem geração.

3.3 Antônia Rosa da Silva Rodrigues de Moraes, n. 1832 (na Fazenda Santa Maria do Rio Grande?), São Francisco de Paula, onde c. na capela da Fazenda Santa Maria do Rio Grande, com seu primo Manuel Antônio de Melo ou Moraes, n. MG, dono da Fazenda da Barra, no Rio Grande, f. de Manuel Antônio de Melo ou Moraes e Maria Teresa de Melo, com geração adiante (CBG e JMV).

3.4 Antônio Rodrigues de Moraes, n. 1832, na Fazenda Santa Maria do Rio Grande, já f. 1917, fazendeiro em São Francisco de Paula e em Cantagalo, c. 1ª vez com sua prima Carlota Umbelina de Gouveia Rodrigues de Moraes, n. 1830, nesta cidade, já f. 1902, f. de Bernardo Rodrigues Franco e Maria José Umbelina de Gouveia, n. Guarapiranga.
          C. 2ª vez, com sua prima Feliciana Bernardina de Melo Correia de Moraes, já f. 1917, f. de Feliciano José Correia e Fortunata Bernardina de Melo, com (Ig e JMV).
           Da 1ª esposa, entre outros:

4.1 João Antônio Rodrigues de Moraes, em 1898 era subdelegado em exercício da Barreira, Macuco, c. 1882, Cantagalo, com Amélia Rodrigues de Moraes, b. 1864, desta cidade, f. de João Elias de Moraes e Maria Nazaré de Souza, com pelo menos (AL e Ig): 

5.1 Elmária Moraes Cortes, n. RJ, cc. o doutor José Cortes Júnior, n. Cantagalo, f. 1965, advogado, f. de José Joaquim Domingues Cortes, português, e Felismina Maria de Oliveira Cortes, n. RJ, com geração na família Oliveira Bitencourt (Ig, TC.II.124 e 127).

4.2 Manuel Antônio Rodrigues de Moraes (vide Nota n° 3), n. RJ, lavrador, cc. Joventina Rodrigues de Moraes, b. 1868, Cantagalo, irmã de Amélia Rodrigues de Moraes, do item anterior, com pelo menos (Ig):

5.1 Lealdina, n. 1897, na Fazenda Santa Clara, Macuco.

5.2 Maria, n. 1902, na Fazenda da Cachoeira, Macuco. Testemunhas: Luís e Virgílio de Souza Lima.

4.3 Dirceu Rodrigues de Moraes, n. RJ, agricultor em Cordeiro, cc. Eudóxia Correia de Moraes, n. RJ, f. João José Correia e Maria José Correia de Moraes, brasileiros, já falecidos em 1917, com pelo menos (Ig): 

5.1 Roberto, n. 1917, Cordeiro (Ig).

          Da 2ª esposa, pelo menos:

4.4 Zulmira Rodrigues de Moraes, b. 1869, Trajano de Morais, onde c. 1899, com Luciano de Paula Fajardo, f. de Francisco de Paula Fajardo Filho, fazendeiro em São Sebastião do Alto, e Bibiana Augusta Fajardo (em Souza Lima). (AL, CBG, DBB e Ig).

3.5 Basília Rosa da Silva Moraes, n. na fazenda do pai, b. 1834, Cantagalo, c. na capela da mesma fazenda, no mesmo dia que a irmã Antônia, com seu primo Antônio Pereira de Melo, n. MG, dono da Fazenda Coqueiro, f. de José Antônio de Melo e Genoveva de Melo, com geração que pode ser vista no CBG, onde talvez pudesse ser acrescentada (JMV):

4.1 Ondolina (hipótese), exposta a Basília "Pereira de Melo”, b. 1847, Trajano de Moraes (DBB).  

2.2 Manuel Antônio de Moraes (vide Nota nº 4), n. provavelmente em Santo Amaro, Piedade das Gerais, MG, f. 1830, sem testamento, inventariado em São João de El-Rei, MG, cc. Maria Teresa de Jesus Melo, n. também em Piedade das Gerais, onde residiam, com (CBG, DBB, JMV e MB.44):  

3.1 José, n. 1815 (DBB).

3.2 Maria, n. 1817.

3.3 Manuel Antônio de Melo ou Moraes, n. 1818, MG, f. 1895, São Francisco de Paula, RJ, onde foi dono da Fazenda da Barra, nas vertentes do Rio Grande (vizinha da posse de Máximo Correia da Silva, em 1855), proprietário, também, da Fazenda Humaitá, capitalista em Duas Barras, em sociedade com seu tio, o Barão de Duas Barras, na firma João Antônio de Moraes & Sobrinho, de São Francisco de Paula, onde cc. sua prima Antônia Rosa da Silva Rodrigues de Moraes, Antoninha, n. no mesmo Município, já f. 1891, f. de Antônio Rodrigues de Moraes e Basília Rosa da Silva Franco, com pelo menos (AL, AP, DBB, HB, Ig, Int, JMV e MB.44):

4.1 Manuel Antônio de Moraes Júnior, coronel da Guarda Nacional, dono da Fazenda da Barra, chefe do Partido Conservador, f. 1910, Nova Friburgo, c. 1ª vez, 1875, na Glória, Rio, com Maria Justina Cornélio dos Santos, f. do doutor Joaquim Cornélio dos Santos e Camila Soares de Oliveira e, 2ª, com Isabel Lemgruber Portugal (que enviuvando cc. Lourival de Oliveira), f. de Francisco Teixeira Portugal e Clara Lemgruber, sem geração desta. Da 1ª esposa teve 2 filhos, entre os quais (AL, HB, JMV e MB.44):

5.1 Coronel Gastão Antônio de Moraes, n. São Francisco de Paula, onde foi dono da Fazenda Humaitá, f. 1911, c. 1910, São Sebastião do Alto, com Leontina Ribeiro (que enviuvando cc. Carlos Schimmler), b. 1883, no mesmo Município, onde f. 1936, f. de Manuel Joaquim Ribeiro, n. 1839, Canadelo, Portugal, f. 1899, São Sebastião do Alto, e Cornélia Gonçalves Lima, sem geração (MB.44 e TC.II.133).

4.2 Antônia da Silva de Moraes Veiga, n. Santa Maria Madalena, f. Nova Friburgo, c. São Francisco de Paula, com o doutor João Henriques da Veiga, n. MG, médico e um dos donos da Fazenda São Francisco, no Córrego dos Índios, São Sebastião do Alto, f. de José Fernandes da Veiga e Balbina Rosa Henriques da Veiga, com 10 filhos, entre os quais (Ig, Int e JMV): 

5.1 Dr. Raul de Moraes Veiga, engenheiro, n. 1878, na Fazenda da Barra, São Francisco de Paula, Governador do Estado do Rio de Janeiro, de 1918 até 1922, f. 1947, Rio, c. 1903, com Orlinda da Rocha Veiga, Cilóca, f. 1920, f. de José Martins Rocha e Joana Martins Rocha, com pelo menos (Int, TC.2.346 e informações, ascendência e descendência, gentilmente enviadas pelo amigo, genealogista, João Monteiro Gomes, cuja esposa, Anna Carolina Willemsens Conceição Monteiro Gomes, é bisneta do Governador).

6.1 Beatriz, Beá, cc. Álvaro Vidal Leite Ribeiro, com geração.

6.2 Heloísa, Helô, cc. José Willemsens Júnior, com geração.

6.3 Lucília, cc. Osvaldo Cruz Filho, com geração.

6.4 Clotilde, Clô (gêmea de Lucília), cc. Jorge Grey, com 1 filho.

6.5 Evangelina, Juju, solteira.

6.6 Ângela, cc. Aluísio Francisco de Castro, com geração.

5.2 Otávio de Moraes Veiga, f. 1925, Rio, cc. Vera van Erven (que depois cc. o doutor Amadeu de Barros Saraiva), n. 1885, na Fazenda Santa Clara, Macuco, f. Rio, f. de Antônio de Sampaio van Erven e Maria Clara de Faria Salgado, com geração (Ig e Int).

5.3 Roberto de Moraes Veiga, n. 1889, Nova Friburgo (Ig).

5.4 Antonieta de Moraes Veiga, n. 1891, Nova Friburgo (Ig).

5.5 Judite de Moraes Veiga, n. 1893, Nova Friburgo, autora do livro “João Antônio de Moraes, 1° Barão de Duas Barras” (Ig e TC).

5.6 Maria José de Moraes Veiga, n. 1894, Nova Friburgo (Ig).

5.7 Regina de Moraes Veiga (TC).

5.8 Evangelina de Moraes Veiga, cc. o doutor Galdino Martins do Vale Filho, f. do doutor Galdino Antônio do Vale e Francisca de Moraes Martins (família Lopes Martins), com geração que pode ser vista no CBG.

5.9 Noêmia de Moraes Veiga, cc. (...), com pelo menos (Int e TC):

6.1 Aloísio Veiga de Paula, médico, professor da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, que combateu a tuberculose nessa Cidade (Int e TC).

3.4 Francisco Antônio de Moraes, n. 1820, negociante e fazendeiro, vizinho da Fazenda dos Neves, de José e João Antônio de Moraes, nas proximidades  da situação Capoeira Alta, de  João Batista da Silva Neves, em 1856 (AP e DBB).

3.5 Rita, n. 1821 (DBB).

3.6 Francisca, n. 1822.

3.7 Carlota Rodrigues de Moraes, f. prematuramente (DBB e HB).

2.3 Elias Antônio de Moraes, n. nas proximidades de Piedade das Gerais, onde residiu no Bonfim, f. após 1856, c. MG, com Rita Joaquina da Silva, de Capela Nova, MG, f. 1844, inventariada pelo marido em São João de El-Rei, em 1845 (vide Nota nº 4), com entre outros (CBG, DBB, JMV e MP): 

3.1 Carolina, cc. José Gomes Vieira (DBB).

3.2 João Antônio de Moraes Sobrinho ou João Elias de Moraes, n. 1824, MG, já f. 1882 (provavelmente o mesmo João Elias de Moraes inventariado em 1870, em Cantagalo), cc. Maria Nazaré Francisca de Souza Moraes, n. dessa Cidade, f. de Francisco Antônio de Souza e Mariana Rosa de Jesus, com entre outros (DBB e Ig):

4.1 Virgínia Rodrigues de Moraes, n. e b. 1858, Cantagalo (DBB).

4.2 João Elias de Moraes, n. e b. 1859, Cantagalo, cc. Maria Nazaré dos Santos Moraes, f. de Manuel Antônio dos Santos e Rosana Maria da Conceição, com pelo menos (DBB):

5.1 Dídimo de Moraes, n. 1893, Trajano de Morais,  b. na Capela da Fazenda Santa Maria do Rio Grande, cc. Darcília do Vale (irmã da avó do genealogista Darli Bertazzoni Barbosa)

5.2 Durval, n. 1894, Trajano de Morais, b. na Capela da Fazenda Santa Maria do Rio Grande.

4.3 Elias Rodrigues de Moraes, n. 1860, Cantagalo, escrivão, fazendeiro e comerciante em Macuco, cc. Francisca de Souza Nunes de Moraes, n. RJ, já viúva em 1923, padrinhos de batismo em Conceição de Macabu, RJ, f. de João Nunes Viana e Maria Francisca de Souza Viana, pais de pelo menos (AL, CBG, DBB, Ig e MP):

5.1 Osvaldo Rodrigues de Moraes, n. 1886 ou 96, no 4º Distrito de Cantagalo, registrado em Macuco em 1922, onde foi funcionário público, c. 1922, nesta Cidade, com Ermelinda de Souza Fernandes de Moraes, n. 1899, RJ, f. de Firmo Francisco Fernandes e Marfisa de Souza Fernandes, com geração (Ig).

5.2 Odir, n. 1897, na fazenda do pai, em Macuco.

5.3 Oldemar, n.1898, na fazenda do pai, em Macuco.

5.4 Marvan, n. 1900, Macuco.

4.4 José Elias de Moraes, n. 1863, Cantagalo, lavrador em São Francisco de Paula, cc. Ermelinda de Castro e Souza de Moraes, n. RJ, foram testemunhas em 1913, f. de Lucindo de Castro e Souza e Albina Maria de Souza (Ig).

4.5 Amélia Rodrigues de Moraes, b. 1864, Cantagalo, onde c. 1882, com João Antônio Rodrigues de Moraes, n. 1858, Trajano de Moraes, f. de Antônio Rodrigues de Moraes e Carlota Umbelina de Gouveia Rodrigues de Moraes, com geração acima (CBG, DBB e Ig). 

4.6 Tertuliana de Moraes, b. 1868, Cantagalo (CBG).  

4.7 Joventina Rodrigues de Moraes, b. 1868, Cantagalo, cc. seu primo Manuel Antônio Rodrigues de Moraes, n. RJ, lavrador, f. de Antônio Rodrigues de Moraes e Carlota Umbelina de Gouveia Rodrigues de Moraes, com geração acima (Ig).

4.8 Elisa Rodrigues de Moraes, n. 1869, Trajano de Moraes, onde c. 1887 (no assento de casamento consta que seu pai João Elias de Moraes já era falecido), com Antônio Francisco de Andrade Sobrinho, f. de João Francisco de Andrade e Francisca Cândida de Moraes, n. Piedade, MG (DBB). 

4.9 Cidalina Rodrigues de Carvalho, n. 1870, brasileira, f. 1891, Macuco, cc. José Alves de Carvalho, português, n. 1851, f. 1899, sem geração (DBB e Ig).

3.3 Manuel, n. 1827 (DBB).

3.4 Francisco, n. 1828.

3.5 Maria, n. 1829.

3.6 Antônio, n. 1836.

2.4 Felisberto Antônio de Moraes, n. 1797, Santo Amaro, atual Queluzito (que à época era parte de Queluz, atual Município de Conselheiro Lafaiete, MG), f. após 1856, capitão da Guarda Nacional, tropeiro, em 1820 já estava em Cantagalo, cc. Maria Isabel Bernardina de Melo, n. 1807, Cantagalo, f. do Guarda Mor João José Rodrigues Franco e Teresa Bernardina de Melo, com geração na família Melo (AP, DBB, FH.221/2, HB, JMV e TC.2.346). 
          Felisberto foi dono de diversas fazendas, das quais ainda estava de posse em 1855 e 56, quando assinou os respectivos registros (AP):
          - Fazenda Samambaia, em São Francisco de Paula (que limitava com a posse Boa Vista, nas vertentes do Imbé, de José Machado Botelho, com o comendador João Antônio de Moraes, com Manuel Teixeira de Souza Júnior, com Francisco de Souza Lima Sobrinho e com as terras denominadas Duas Barras, às margens do Rio Grande, de Joaquim Rodrigues de Souza);
         - Fazenda Ribeirão da Lagoa (desde 1831), vizinha da posse Boavista, no Imbé, de João de Souza Botelho e do Sítio Alto da Serra, de Joaquim Fernandes; e,
         - Fazenda da Água Limpa (desde 1832), vizinha de outra Fazenda Água Limpa, em Santa Maria Madalena, que pertencia a Januário Lopes de Sá, no final de 1856.

2.5 José Antônio de Moraes (existem dúvidas se poderia ser o mesmo José Antônio, b. 1800, Queluz, MG, filho do casal), cc. Maria Joaquina, naturais de MG, com pelo menos (DBB, HB e JMV): 

3.1 José, f. 1812, Cantagalo, com 3 mêses (HB).

3.2 José Antônio de Moraes (hipótese), f. Bom Jardim, RJ, cc. Albina Augusta da Silva, residente em Banquete, Nova Friburgo, com pelo menos (Ig):

4.1 Sofia Augusta da Costa, n. Bom Jardim, cc. Ludgero Augusto da Costa, n. cerca de 1860, RJ, residente em Banquete, f. de Cesário Augusto da Costa e Laurentina Augusta Teixeira, falecidos em Maricá, RJ, com pelo menos (Ig):

5.1 Reinaldo, n. 1896, Bom Jardim.

2.6 Maria Felizarda de Jesus Souza da Costa, b. 1802, Queluz, MG, cc. José da Rosa Pires, f. de Antônio Ferreira Pires e Maria Felizarda da Costa, todos naturais de Minas, com geração na família Ferreira Pires (CBG, DBB e JMV).

2.7 Antônia Rita de Jesus, b. 1804, Queluz, MG, cc. Vicente Ferreira de Melo, residentes em MG, com muitos filhos, entre os quais (CBG, DBB e JMV): 

3.1 Vicente Ferreira de Melo ou Moraes, residiu na Fazenda São Lourenço, junto ao ribeirão do mesmo nome, e na Santa Maria do Rio Grande, coronel da Guarda Nacional de Santa Maria Madalena, onde foi um dos fundadores do Partido Republicano.
          Cc. sua prima Amélia da Silva Moraes (viúva do doutor Pedro Maria da Fonseca Ferreira), f. dos Barões de Duas Barras, com 9 filhos, entre os quais (AL, CBG, FH.221, Ig, Int e JMV):

4.1 Dr. Feliciano Ferreira de Moraes, fazendeiro em Duas Barras, cc. Etelvina Pereira de Moraes, n. RJ, f. do coronel Antônio João Pereira de Moraes e Luísa Rodrigues de Moraes, com cerca de 12 filhos, entre os quais (Ig):

5.1 Aurelina de Moraes Ferreira, n. 1895, Duas Barras (Ig).

5.2 Oscar Ferreira de Moraes, n. 1894, Duas Barras (Ig).

4.2 Dr. Vicente Ferreira de Moraes, fazendeiro (AL e TC.II.273).

2.8 João Antônio de Moraes, 6° filho homem e o mais novo entre os mesmos, n. 1810, em Queluz ou Piedade, Bonfim, MG, f. 1883, em sua Fazenda Santa Maria do Rio Grande (vizinha da sua própria Fazenda Santo Antônio ou do Sobrado, em 1855, e de Manuel Correia da Rocha em 1856), comendador, tenente coronel da Guarda Nacional, 1º Barão de Duas Barras, oficial da Imperial Ordem da Rosa, político do Partido Conservador, proprietário também das Fazendas Barra, Boa Esperança, Coqueiro, Grama, Monte Café, Olaria, Paraíso, Santana, São Lourenço, e Santo Antônio ou do Sobrado (esta confrontava com Luís Chevrand, Francisco Rimes, Fazenda Paraíso, de Paula Alves de São Pedro, e com a sua própria Fazenda Santa Maria do Rio Grande, em 1855).
          C. 1835, Cantagalo (testemunhas: Joaquim Rodrigues Franco e João Pedro Rodrigues), com sua prima Basília Rosa da Silva Franco de Moraes, viúva do seu irmão Antônio Rodrigues de Moraes, Baronesa de Duas Barras, n. 1802, Cantagalo, f. 1884, na Fazenda Santa Maria do Rio Grande, com 8 filhos, entre os quais (AL, AP, FH.221/2, HB, JMV e TC.II.346):  

3.1 Felizarda da Silva Moraes, depois Felizarda Lopes de Moraes Martins, n. Cantagalo, cc. o major da Guarda Nacional, Francisco Lopes Martins (viúvo de Floriana Leopoldina de Magalhães Lopes Martins), n. Cantagalo, dono da Fazenda da Olaria, f. do capitão João Lopes Martins e Ana Clara de Jesus Teixeira Lopes Martins, com geração na família Lopes Martins (AL, FH.221, Ig, JMV e TC.1.150).

3.2 Capitão da Guarda Nacional, Joaquim Antônio de Moraes, b. 1837, Cantagalo, residente na Fazenda do Sobrado, juntamente com um dos seus irmãos, foi dos primeiros a dar liberdade aos seus escravos acima de 60 anos, seguidos pelos seus parentes Antônio de Moraes, tenente coronel Teófilo de Moraes Martins, e pela firma Viúva Torres & Moraes.
          C. 1857, com sua sobrinha Basília Rodrigues de Moraes, f. do capitão Francisco Rodrigues de Moraes e Maria Felizarda de Melo, com geração (AL, Escravidão & Engenhos, de João Oscar, FH.221, Int, JMV, TC.1.213, 336 e 2.132).

3.3 Dr. Elias Antônio de Moraes, n. 1839, na Fazenda Santa Maria do Rio Grande, f. 1928, Rio, médico, capitalista, comprou em 1867 a Fazenda Ribeirão Dourado, em São Francisco de Paula, que em 2006 ainda está em mãos de descendentes seus, 2º Barão de Duas Barras, vereador em 1879, político do Partido Liberal, foi duas vezes Vice-Presidente da Província, f. aos 88 anos.
          C. 1866, na Glória, Rio, com Georgeana Augusta da Silva Moraes, n. 1842, Santa Rita, Rio, onde f. 1906, 2ª Baronesa de Duas Barras, f. de Georgeana Augusta da Silva, moradora na Rua do Catete, Rio, com entre outros (AL, DFB, FH.221, Ig, Int, Orkut, TC.I.334, 370 e II.346): 

4.1 Coronel Edelberto Antônio de Moraes, n. 1870, Cantagalo, onde foi fazendeiro e vereador, herdou a Fazenda do Ribeirão Dourado e foi testemunha em Macuco em 1927, c. 1894, Nova Friburgo, com Marieta Galvão, n. 1870, Rio, f. do conselheiro Inácio da Cunha Galvão, n. Porto Alegre, RS, e Maria José Barreto, n. Itaboraí, RJ, com geração (CBG, Ig, Orkut e TC.II.139).

3.4 João Antônio de Moraes Júnior, fazendeiro em São Francisco de Paula em 1864 (AL).
     - Obs.: Um João Antonio de Moraes, provavelmente nascido entre 1836 e 1843, "vindo de Cantagalo", foi o tronco dos Moraes de Cachoeiro do Itapemirm, ES, cc. Felisbina Gonçalves de Moraes, e foram pais de 9 ou pelo menos 6 filhos: (Informações e descendência gentilmente enviadas pelo amigo, Genealogista, Paulo Stuck Moraes).

4.1 Jerônimo, npv. 1880, pai de:

5.1 Ormando, que ocupou a Cadeira nº 31, da Academia Espírito-santense de Letras.

4.2 Moacir, n. 1882, Alegre, ES, patrono da Cadeira nº 24, da mesma Academia, acima, f. aos 33 anos, em Bragança, PA, deixando 4 filhos, que não descobrimos.

4.3 Iracema.

4.4 Brasília.

4.5 Escolástica.

4.6 Flávio.

3.5 Eugênio Antônio de Moraes, caçula entre os filhos homens, f. cerca de 1870, afogado no Rio Grande (FH.221 e JMV).

3.6 Amélia da Silva Moraes, filha caçula, c. 1ª vez com o doutor Pedro Maria da Fonseca Ferreira, n. Santa Luzia, MG, f. nesse mesmo ano, em Cantagalo, f. do capitão Antônio da Fonseca Ferreira e Teodora Luísa da Piedade.
          C. 2ª vez, com seu primo, Vicente Ferreira de Melo ou Moraes, n. 1833, Desterro, MG, f. 1904, São Francisco de Paula, residentes na Fazenda São Lourenço, f. de Vicente Ferreira de Melo e Antônia Rita de Jesus, com geração adiante (AL, CBG, FH.221, Ig, Int e JMV).

2.9 Francisca de Jesus, n. MG, sem mais notícia (JMV).

2.10 Eufrásia de Jesus de Moraes, n. MG, talvez a mesma Custódia Eufrásia de Moraes, n. 1819, RJ, f. 1892, São Sebastião do Alto, RJ, cc. Francisco de Faria Salgado, n. por volta de 1818, Senhora dos Remédios, MG, f. com testamento em 1895, São Sebastião do Alto, RJ, onde foi Tenente Cel. da Guarda Nacional e cafeicultor, com geração na família Faria Salgado (AL, AP, CBG, DBB, HB, EA.375 e JMV).

 

Nota nº 1:

Até aqui seguimos, principalmente, as informações contidas no inventário de Manuel de Moraes Coutinho e nos livros da Matriz de Campo Alegre dos Carijós e Conselheiro Lafaiete, MG (microfilme 1252376, item 2, da Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias), gentilmente enviadas pelo amigo, genealogista, Darli Bertazzoni Barbosa, de Londrina, PR, que mandou, também, outras contribuições para esta página. Posteriormente incluímos as informações do testamento do mesmo Manuel de Moraes Coutinho, encontrado e consultado pelo amigo genealogista Luiz Augusto da Silva Júnior.

Nota nº 2:

O Colégio Brasileiro de Genealogia, do Rio de Janeiro, possui o original, inédito, da genealogia deste casal, elaborada pelo renomado genealogista J.B. de Athayde, mais completa, historiada e pormenorizada do que esta, onde se poderá ver outros ramos e a continuação de algumas descendências aqui descritas.

Nota nº 3:

Houve um Manuel do 1º matrimônio mas, nos registros dos nascimentos dos filhos deste Manuel Antônio Rodrigues de Moraes, ele consta como filho do 2° matrimônio.

Nota nº 4:

O amigo Darli Bertazzoni Barbosa consultou, também, em São João de El-Rei, os inventários de Manuel Antônio de Moraes, filho de Antônio Rodrigues de Moraes Coutinho e Costa, e o de Rita Joaquina da Silva, esposa de Elias Antônio de Moraes.

 

Ir para: Página Principal,    Índice Geral,    Imigração árabe,    Títulos Perdidos,      Tiradentes,     Batch Number,     Códigos e Bibliografia