GENEALOGIA BRASILEIRA
Estado do Rio de Janeiro - Povoadores da Região Serrana

Família PINHEIRO

                              Lênio Luiz Richa (lenioricha@yahoo.com.br)

 

 

          Vicente Luís Pinheiro, padrinho de batismo em Cantagalo, RJ, em 1803 e 15, vereador em 1822, tendo ocupado outros cargos públicos de destaque, f. 1827, cc. Maria Antônia de Jesus e, além dos abaixo, foi seu descendente direto, em Cantagalo, José Pinheiro. Tiveram pelo menos (HB, TC.1.31 e 2.298):

1.1 João Luís Pinheiro, vereador eleito em 1829, "já se achava estabelecido em terras devolutas há mais de quatorze anos às margens do Rio Negro no alvorecer do Século XIX, onde solicitou sesmaria", era ainda fazendeiro em 1848. Foi padrinho de batismo em Cantagalo, em 1804, juntamente com Joaquina Inácia, tia do inocente, onde se confirma ser "filho de Vicente Luís”.
          C. 1810, com Maria Luísa de Souza Ribeiro Pinheiro (talvez a mesma Maria Luísa de Souza, viúva de João Luís Pinheiro, c. 1850 Cantagalo, com José Marra da Silva Torres), f. de João Luís Ribeiro e Genoveva Maria Vieira de Souza (AL, Cr, HB e VT.3.360).
          Tiveram pelo menos:

2.1 Manuel, inocente, f. 1810, Cantagalo. Foi batizado em casa pelo seu avô Vicente Luís Pinheiro (HB).

2.2  Joaquim Luís Pinheiro (vide Nota nº 1, no rodapé), n. 1811, b. 1812, Cantagalo (padrinhos: os avós maternos), f. 1886, Cantagalo, negociante e cafeicultor na Tapera, tenente coronel da Guarda Nacional e juiz de paz em 59, Barão de Paquequer, depois Visconde com grandeza de Pinheiro, com grandeza. Prestou relevantes serviços relativamente ao ensino primário na Província do Rio de Janeiro, criou em suas fazendas escolas e bandas de música integradas, inclusive, pelos escravos. Em sua homenagem foi dado ao asilo de amparo à velhice de Cantagalo o nome Visconde de Pinheiro.
          Em 1855 Joaquim Luís Pinheiro era vizinho da posse de Custódio Francisco Gomes, no Bananal, nas cabeceiras do Córrego do Quilombo, e em 56 das Fazendas Rio Negro, do doutor Eugênio José Pereira de Melo e da Conceição do Rio Negro, de João Albino Dias da Silva & Irmãos, das terras de Luís Vieira de Carvalho, na Sesmaria São José do Rio Negro e da Sesmaria São João da Pedra, de Paulo, Francisco, José e Luís Vieira de Carvalho (AP).
          Cc. Quenciana Maria Vieira de Sousa Pinheiro, Baronesa de Paquequer, depois Viscondessa de Pinheiro, f. de Felisberto Vieira de Sousa (revolucionário de 1842 em Minas Gerais), descendente do capitão José Vieira de Souza (AL, DFB, HB, MB.78, TC.1.31, 333, 2.359 e VT.3.361).
          Tiveram 8 filhos:

3.1 Comendador e coronel José de Aquino Pinheiro, Barão de Aquino, n. 1837, na Fazenda do Ribeirão, Duas Barras, RJ, onde f. com inventário em 1921, na Fazenda Santa Mônica, político do Partido Conservador e delegado no Carmo, RJ, cafeicultor e capitalista em Cantagalo, Duas Barras e Sumidouro, onde foi Juiz Municipal em 85, proprietário das Fazendas Santa Mônica e Santa Maria, ambas em Sumidouro, Areias, em Pirapetinga de Itaperuna, e Conceição.
             Títulos e Comendas (segundo pesquisa de sua descendente a Sra. Edilea Carvalho): Comenda da Rosa, por serviços prestados na esfera da educação primária; Barão: por serviços prestados na esfera da educação superior (na Escola de Medicina do Rio de Janeiro tem uma sala com o seu nome); Comenda da Convenção de Vila Viçosa, de Portugal; Fidalgo da Casa Imperial do Brasil; Indulgência Papal, até a quarta geração, pelos serviços atenciosos que prestou ao apostolado do Sagrado Coração de Jesus, na cidade de Sumidouro.  
             C. 1857, Duas Barras, com sua prima, Rita Luíza Ribeiro de Aquino Pinheiro, Baronesa de Aquino, n. 1841, nessa cidade, onde f. 1920, f. do comendador Francisco Alves Ribeiro e Querubina Cândida de Jesus, e bisneta do alferes Manuel Vieira de Souza, com 15 filhos, dos quais apenas 8 sobreviveram, entre os quais: João de Aquino Pinheiro, Maria Pinheiro Sampaio, Alano Ribeiro de Aquino Pinheiro, Aureliano de Aquino Pinheiro, e ainda: (AL, DFB, FH, Museu da Justiça do RJ e TC.II.358):

4.1 Álvaro Ribeiro de Aquino Pinheiro, lavrador, n. cerca de 1870, Cantagalo, onde c. 1897 (testemunhas: tenente coronel Honório de Souza Brandão e esposa), com Joventina Soares Teixeira Pinheiro, n. por volta de 1881, nessa cidade, f. de Artur Leão Soares Teixeira e Francisca Spangemberg Soares Teixeira, todos brasileiros e lavradores em Cantagalo.
          Tiveram pelo menos (Ig):

5.1 Artur Teixeira de Aquino Pinheiro, n. 1898, Cantagalo.

5.2 Álvaro de Aquino Pinheiro, n. 1901, na Fazenda São Sebastião, domicílio dos seus pais, em Cantagalo.

5.3 Francisca Pinheiro Teixeira, cc. o doutor Francisco Leite Teixeira (viúvo de Emília de Souza Teixeira), n. 1886, Volta Grande, MG, f. 1953, Cantagalo, farmacêutico na Floresta, depois, advogado e político militante no PSD, vereador em várias legislaturas e presidente da Câmara de Cantagalo, f. de José Leite Teixeira e Maria da Conceição Lima Teixeira (ou Maria da Conceição Leite Teixeira), com 9 filhos, entre os quais: Líbero (Bibinho), um dos melhores goleiros que vi atuar na região, Francisco e o meu dileto amigo Rui, também craques do futebol cantagalense (Livro "O Sobrado", do Dr. João Guzzo, fls. 154).

5.4 Sétimo Teixeira de Aquino Pinheiro, o Setinho, n. 1905, na Fazenda Recreio, Cantagalo, domicílio dos seus pais, cc. Hélia Borges de Souza, n. 1918, Cantagalo, f. de Artur Afonso de Souza e Zulmira Borges de Souza, residentes em Cantagalo, todos brasileiros (Ig). 

5.5 Luís Gonzaga de Aquino Pinheiro, n. 1907, Cantagalo.

4.2 Rita de Cássia Pinheiro Soares, n. RJ, c. Sumidouro com o doutor Isaías Pereira Soares, médico, n. da Bahia, residentes em Cantagalo, f. do coronel José Pereira Soares, já f. 1902, na Bahia, e Ana Maria de Miranda Soares, residente em Santo Amaro, BA, brasileiros, com pelo menos (Ig):

5.1 Isaías de Aquino Soares, n. 1902 na Fazenda de São Sebastião do Rio Negro, Cantagalo, domicílio dos seus pais.

5.2 Aída Pinheiro Soares, n. 1905 na Fazenda de São Sebastião do Rio Negro.

5.3 José Mariano de Aquino Pinheiro, n. 1906 na Fazenda de São Sebastião do Rio Negro.

5.4 Ana Maria Soares, n. 1909, Macuco.

5.5 General Langleberto Pinheiro Soares, avô materno da Sra. Paula Soares Gaeta, que gentilmente enviou esta informação por e-mail.

5.6 Deusdedite de Aquino Soares (hipótese), n. cerca de 1901, Cantagalo.

4.3 José de Aquino Pinheiro, n. Fazenda Conceição, em Barão de Aquino, Sumidouro, RJ, lavrador e industrial, c. Sumidouro, com Teodomira Alves Pinheiro, brasileira (testemunhas do casamento de Sebastião Vieira de Carvalho em 1920, em Cantagalo), f. de Francisco Alves da Cunha e Quenciana Coleta da Silva, com pelo menos (FH.233 e Ig):

5.1 Joaquim, n. 1895, Sumidouro. Declarante: Antônio Augusto de Almeida Pinto, português, professor de música (Ig).

5.2 Teodomiro de Aquino Pinheiro, n. 1897, na Fazenda Conceição, residente em Sumidouro, cc. Rita de Cássia Pinheiro, com pelo menos (FH.233, Ig e Int):

6.1 Sinésio de Aquino Pinheiro, n. 1921, na Fazenda Conceição.

5.3 Alpheu de Aquino Pinheiro, n. 1908, cc. Maria da Conceição de Castro Malta, n. 1908, ambos em Sumidouro, RJ, f. de Euclides Ribeiro Malta e Oneida Malta de Castro  (em Correia da Rocha), com:  Dora, b. 1929, f. 2008, José Antonio, b. 1931, f. 2009, Armando Kelson, b. 1933, e Tadeu Malta Pinheiro, b. 1935. (informação gentilmente enviadas pela Sra. Elaine Fernandes Soares, do Rio de Janeiro, incluindo a geração).

4.4 Francisco de Aquino Pinheiro, cc. Rita de Cássia Antunes de Siqueira Domingues, com pelo menos (Internet e colaboração do doutor Jorge Bruno Marques de Brito, genealogista de Coimbra, Portugal):

5.1 Rita Domingues Pinheiro, perdeu os pais muito cedo e foi criada pela sua tia materna, a bisavó do doutor Jorge Bruno, com pouco contato com os seus parentes de Sumidouro.

5.2 Francisco de Aquino Pinheiro Filho, cc. Elda Rodrigues da Costa Pinheiro, f. de Basílio Rodrigues da Costa Neto e Sizigambe Augusta Castro Costa, np. de Agostinho Rodrigues da Costa e Dometilde Augusta Cortês de Castro, nm. de José Basílio Rodrigues da Costa e Minervina de Castro Costa, com geração na Internet.

5.3 Glória Domingues Pinheiro.

5.4 Mário Domingues Pinheiro.

5.5 Augusto Domingues de Aquino Pinheiro (vide Nota nº 2), n. 1870, f. 1955, Rolândia, PR, c. 1ª vez, com (...) e 2ª, com Francelina Rosa de Jesus, com pelo menos desta: 

6.1 Antônio de Aquino Pinheiro, n. 1924, Pirapetinga de Itaperuna, RJ, f. 2004, Jacarezinho, PR, c. 1ª vez com Adair de Oliveira e, 2ª, com Nair (...), com geração, pelo menos da 1ª esposa.

6.2 Francisco de Aquino Pinheiro Sobrinho, n. 1926, Pirapetinga de Itaperuna, c. 1951, Rolândia, PR, com Olandina de Castro e Souza, n. 1929, Pedra Branca, RJ, f. de Oswaldo de Castro e Souza e Olda Jordão (em Castro e Souza), com grande geração.

5.6 João de Aquino Pinheiro.

4.5 José Eugênio de Aquino Pinheiro, de Duas Barras, que foi testemunha do casamento de Antônio Luís Pinheiro Júnior, em Cantagalo, em 1898. (FH.92, Ig e Museu da Justiça do RJ).

3.2 Maria Lina de Souza Pinheiro, fazendeira em Duas Barras, c. 1850 com o capitão José Vieira de Carvalho Milagres (ou José Vieira de Carvalho Júnior), brasileiro, já f. 1931, fazendeiro em Cantagalo, f. do major José Vieira de Carvalho e Porcina Angélica de Santa Rosa. Foram proprietários das Fazendas Palestina e Rancharia, entre outras.
          Com geração na família Vieira de Carvalho (AL, CBG, Ig e O Sobrado, 245).

3.3 Tenente cel. Joaquim Luis Pinheiro Filho (ou Joaquim Luís Pinheiro Júnior), juiz de paz nos anos de 1869 a 85, presidente da Sociedade Musical de Duas Barras, fidalgo cavaleiro da Casa Imperial de 1884 a 89 e cafeicultor em sua fazenda Conceição dos Pinheiros, em Duas Barras, RJ, cc. sua prima Bernardina Luísa Ribeiro, depois Pinheiro, zeladora da Irmandade de Nossa Senhora da Conceição em 1879, f. do Comendador Francisco Alves Ribeiro e Querubina Cândida de Jesus, com pelo menos (AL, Ig e FH.120):

4.1 Joaquim Luís Pinheiro, n. RJ, lavrador em Duas Barras, c. Sumidouro, RJ, com Honorata Ribeiro Pinheiro, n. RJ, f. de Manuel Luís Ribeiro e Rocio Ribeiro, com pelo menos (Ig):

5.1 Sebastião Luís Pinheiro Sobrinho (1º filho), n. 1896, Duas Barras.

5.2 Joaquim Luís Pinheiro (2º filho), n. 1898, Duas Barras.

4.2 Sebastião Luís Pinheiro, n. Duas Barras, lavrador no Carmo, solteiro em 1889, quando foi declarante de um nascimento nessa cidade, cc. Eufrásia França Pinheiro, n. RJ, f. do capitão Antônio Francisco França, fazendeiro no Carmo e Cantagalo, e Luciana Ribeiro França, com pelo menos (AL e Ig):

5.1 Ato, n. 1894, na casa da avó materna, no Carmo.

5.2 Bernardina, n. 1896, Carmo.

4.3 Modesto Luís Ribeiro, cc. Carolina Barbosa Ribeiro, brasileira, dona da Fazenda Boa Fé em 1891, f. de Antônio Barbosa Viana e Maria Felicidade Barbosa Viana, com 3 filhos até 1891 (Ig):

5.1 Francisco (“do 1º matrimônio”?).

5.2 José (“do 1º matrimônio”?).

5.3 Nair, n. 1891, na Fazenda Boa Fé. Declarante: doutor Augusto Vespasiano de Moura (Ig).

3.4 Cap. Manuel Luís Pinheiro, já f. 1920, subdelegado e presidente honorário da Sociedade Musical de Duas Barras entre 1874 e 85, cafeicultor em sua Fazenda Penedo. Cc. sua prima Antônia Luísa de Souza Ribeiro, depois Pinheiro, já f. 1893, Duas Barras, brasileira, f. do comendador Francisco Alves Ribeiro e Querubina Cândida de Jesus, com pelo menos (AL e Ig):

4.1 Anísio Luís Pinheiro, n. cerca de 1872, Duas Barras, onde foi comerciante, lavrador no Sítio do Bom Destino, em Cantagalo, testemunha de casamento em 1917, c. 1893, Cordeiro, com sua prima Maria Luísa Pinheiro, f. de Sebastião Luís Pinheiro e Amélia Augusta Pires Pinheiro, com pelo menos (Ig):

5.1 Dalbertina Luísa Pinheiro, depois Dalbertina Pinheiro Conde, n. 1894, Duas Barras, c. Cantagalo, com João Conde, n. 1894, RJ, lavrador, f. de Manuel Conde e Ana Conde, portugueses, lavradores em Cantagalo, com geração. Testemunha do casamento: Manuel Luís Pinheiro.

5.2 Judite Luísa Pinheiro, n. 1897, Duas Barras, c. 1922, Cordeiro, com José da Silva, 24 anos, n. RJ, jornaleiro em Cordeiro, f. de Antônio da Silva e Francisca dos Santos, portugueses, residentes na Estação do Rio Grande.

4.2 Manuel Luís Pinheiro Júnior (Seu Dubon), n. cerca de 1876, RJ, negociante, industrial e gerente da Usina Pinheiro, em Cordeiro, onde c. 1907, com Judite do Couto Carvalho Pinheiro, n. cerca de 1884, RJ, f. de João Machado de Carvalho, já f. 1907, e Maria do Couto de Carvalho, brasileira, quando viúva residente em Itaocara, com pelo menos: Luís, n. 1908, Edite, n. 1911, e João, n. 1912, todos em Cordeiro, e ainda: (Ig).

5.1 Dalila de Carvalho Pinheiro, n. 1909, Cordeiro, cc. Francisco de Salles Abreu, com geração. (Revista Visão, n. 5, fls. 20).

4.3 Joaquim Alves Pinheiro (vide Nota nº 4), n. Duas Barras, onde foi lavrador, cc. Brasília Almada Pinheiro, n. da mesma cidade, f. de Francisco Vieira Almada e Izidora Pereira de Gouveia Almada, com pelo menos (Ig):

5.1 Irene Pinheiro (2ª filha), n. 1902, Duas Barras

5.2 Antônia Pinheiro Cordeiro, n. 1904, Sumidouro, RJ, f. 1960, Niterói , cc. Presciliano Mendes Cordeiro (1ª esposa), n. 1906, Sumidouro, RJ, f. 1962, na mesma cidade, onde foi oficial de justiça, com grande geração.

5.3 Ulda de Almada Pinheiro.

5.4 Edgar de Almada Pinheiro.

5.5 Júlio de Almada Pinheiro.

5.6 Noêmia de Almada Pinheiro.

3.5 Sebastião Luis Pinheiro, já f. 1894, cafeicultor em sua Fazenda Ribeirão, pelos anos de 1870 a 85, definidor da Irmandade de Nossa Senhora da Conceição de Duas Barras, cc. Amélia Augusta Pires Pinheiro, n. MG, já f. 1925, f. de Manuel José Pires e Gertrudes Claudina Pires, com pelo menos (AL e Ig):

4.1 Maria Luísa Pinheiro, n. RJ, c. 1893, Cordeiro, com seu primo Anísio Luís Pinheiro, f. de Manuel Luís Pinheiro e Antônia Luísa Pinheiro, com geração acima (Ig).

4.2 Sebastião Pires Pinheiro, lavrador e funcionário público, cc. Hermínia Melo Pinheiro, ambos naturais de Duas Barras e professores municipais, f. de Manuel José de Oliveira Melo e Felisberta Alves Marinho, com pelo menos (Ig):

5.1 Obede Pinheiro (1º filho), n. 1897, Duas Barras.

5.2 Mário Pinheiro (2º filho), n. 1899, Duas Barras.

5.3 Olívia Pinheiro (3ª filha), n. 1900, Duas Barras.

5.4 Sebastião Pinheiro (4º filho), n. 1903, Duas Barras.

5.5 Nadir de Melo Pinheiro (hipótese), n. cerca de 1912, Duas Barras.

4.3 Olga Pinheiro Veiga, “descendente do Visconde de Pinheiro”, n. RJ, c. Santa Rita da Floresta, Cantagalo, com Antônio Moledo Veiga, espanhol, lavrador e negociante em Duas Barras, f. de Santiago Moledo Veiga e Perfeito Veiga, com pelo menos 6 filhos, todos naturais de Duas Barras: (FH.245 e Ig).

5.1 Maria Cacilda Veiga (1ª filha), n. 1901 (Ig).

5.2 Mauro Moledo Veiga (2º filho), n. 1903.

5.3 Aidê Pinheiro Veiga, n. 1908.

5.4 José Pinheiro Veiga, n. cerca de 1909.

5.5 Nelson Pinheiro Veiga, n. cerca de 1911. 

5.6 Dório Pinheiro Veiga, n. cerca de 1915.

4.4 João Pires Pinheiro, n. por volta de 1887, RJ, residente em Duas Barras, c. 1908, Carmo, com Luciana França, n. cerca de 1881, RJ, f. do capitão Antônio Francisco França e Luciana Ribeiro França (AL, Ig e Int).

4.5 Cecília Augusta Pires Pinheiro, depois Pinheiro de Barros, cc. (...), avós da Sra. Márcia Cypriano de Barros, que gentilmente enviou esta informação.

4.6 Orlando Pires Pinheiro (hipótese), testemunha do Registro de Nascimento de Olívia Pinheiro, acima, em Duas Barras, em 1900.

3.6 Luísa (...) Pinheiro Pires, já f. 1893, cc. o major Carlos José Pires, cafeicultor em sua Fazenda Riachuelo. juiz de paz, subdelegado, provedor da Irmandade de Nossa Senhora da Conceição, inspetor distrital de educação entre 1874 e 85, em Duas Barras e testemunha de casamento em 1893, em Cantagalo, juntamente com Antônio Luís Pinheiro e Maria José Halfeld Pinheiro, com pelo menos (AL e Ig):

4.1 Major Carlos Pinheiro Pires, n. RJ, fazendeiro em Duas Barras, foi testemunha de casamento  em 1893, em Cordeiro, Secretário da Câmara em 1915 e presidente da Sociedade Musical Oito de Dezembro, em Duas Barras, de 1924 a 26, onde cc. (sua sobrinha?) Izolina Torres Pires, n. da mesma cidade, f. de Joaquim Luís Pinheiro Pires e Ana Maria Umbelina Torres, com entre outros (FH.55, 90, 152 e Ig):

5.1 Noêmia Torres Pires (1ª filha), n. 1893, na Fazenda Bela (...), Duas Barras (Ig).

5.2 Maria Lúcia Pires (5ª filha), n. 1903, Duas Barras.

5.3 Carlos Torres Pires (7º filho), n. 1905, Duas Barras.

4.2 Tenente Manuel Pinheiro Pires (hipótese), testemunha do Registro de Nascimento de Carlos Torres Pires, f. do Major Carlos Pinheiro Pires, acima, em 1905, em Duas Barras (FH.90 e Ig).

4.3 Joaquim Luís Pinheiro Pires (hipótese), cc. Ana Maria Umbelina Torres, com pelo menos (FH.90, 152 e Ig): 

5.1 Izolina Torres Pires, n. Duas Barras, onde cc. (seu tio?) o Major Carlos Pinheiro Pires, f. do Major Carlos José Pires, cafeicultor, e Luíza Pinheiro Pires, com geração acima (FH.90, 152 e Ig).

3.7 João Luís Pinheiro, fazendeiro em Cantagalo em 1885, foi dono da Fazenda Recreio, cc. Maria José Halfeld Pinheiro, já viúva em 1893, residente no Rio, com pelo menos (AL e Ig):

4.1 Paula Ponciana Halfeld Pinheiro, c. 1893, na Fazenda São Sebastião, do Visconde de Pinheiro e filhos, em Cantagalo, com o doutor Augusto Moreira de Barros Oliveira Lima, 36 anos, n. Amarante (PI), engenheiro no Rio, f. de Umbelino Moreira de Oliveira Lima e Maria Cândida de Barros de Oliveira Lima, brasileiros, residentes em Fortaleza, CE. Testemunha do casamento: Antônio Luís Pinheiro (Ig).

4.2 Emerenciana Pinheiro de Oliveira Lima (ou seria a mesma Ponciana, anterior?), c. Cantagalo, com o mesmo doutor Augusto Moreira de Barros Oliveira Lima, com pelo menos (Ig):

5.1 Ivan, n. 1894, Bom Jardim.

4.3 Joaquim Halfeld Pinheiro, n. RJ, lavrador, cc. Maria de Melo Pinheiro, n. RJ, ambos professores municipais, f. de Manuel José de Oliveira Melo e Felisberta Alves Marinho, com entre outros: Homero (1º filho), já f. 1901, Romero Halfeld Pinheiro (2º filho), n. 1898, Juraci Halfeld Pinheiro (3º filho), n. 1900, e Homero Halfeld Pinheiro (4º filho), n. 1901, todos em Duas Barras. (Ig).

4.4 João Halfeld Pinheiro, n. cerca de 1880, RJ, residente em Duas Barras, c. 1905, Carmo, com Maria Amélia Gonçalves, n. cerca de 1882, RJ, f. de Manuel Gonçalves e Maria José de Santana, residentes no Carmo. Testemunhas do casamento: Henrique Lengruber Monerat, 22 anos, lavrador em Bom Jardim e Artur Napoleão Gonçalves (Ig).

4.5 Olívia Halfeld Pinheiro (hipótese), testemunha de casamento em Cantagalo, em 1902, juntamente com Edite Halfeld e Maria José (Halfeld?) Pinheiro. 

3.8 Tenente coronel Antônio Luís Pinheiro, em família Totonho (vide Nota nº 3), n. cerca de 1851, f. antes de 1913, cafeicultor em Duas Barras e Cantagalo de 1874 a 95, dono da Fazenda Marco da União.
          Cc. Júlia de Andrade Silveira Pinheiro, f. de Antônio Vieira de Carvalho e Souza e Maria das Dores Coimbra Vieira de Carvalho, brasileiros, residentes em Cantagalo, com pelo menos (AL e Ig):

4.1 Capitão Antônio Luís Pinheiro Júnior, Nico, n. cerca de 1877 em Cantagalo, cafeicultor, secretário da 1ª Junta de Alistamento Militar e testemunha de nascimento em 1929. Aí c. 1898, com sua tia Ana Angélica Vieira de Carvalho e Souza, depois Pinheiro (Anete), que tinha uma bela voz e era exímia pianista, n. cerca de 1879, Cantagalo, onde residiam, f. do coronel Antônio Vieira de Carvalho e Souza e Maria das Dores Coimbra Vieira de Carvalho, com pelo menos (Ig, CM.42, TC.II.298 e "O Casarão da Rua Direita e Minhas Reminiscências", de Carmen Marques Freire e Silva, fls. 42):

5.1 Dr. Alcides Vieira Pinheiro, n. 1899, Cantagalo, advogado, presidente da Caixa Rural de Cantagalo, consultor jurídico do Conselho Nacional de Águas e Energia Elétrica, autor do livro “Direito das Minas”,  falecido no Rio, onde morava, aos 48 anos. Cc. Lígia Richard, com f. única (Ig, Jornal do Comércio, do Rio, 08.08.1948 e TC.2.298):

6.1 Norma, f. 2005, c. no Rio, onde residia, com o doutor Carlos da Silva Freire, médico, também de família cantagalense, com 2 filhos.

5.2 Paulo Vieira Pinheiro, n. 1902, na Fazenda São José do Rio Negro, Cantagalo, domicílio dos seus pais, farmacêutico, cc. Ceci de Castro Pinheiro, com 2 filhos: Pedro Paulo, advogado, e Sérgio, corretor. (Ig).

5.3 Maria Rita Pinheiro de Andrade Figueira, cc. Ari P. de Andrade Figueira, com 2 filhos: Danton advogado e Mary, professora.

5.4 Antônio, f. aos 7 anos.

5.5 Doutor Plínio Vieira Pinheiro, médico veterinário e advogado, n. 1917, Cantagalo, cc. Jaci Pinto Pinheiro, de Leopoldina, MG, com 3 filhos: Ana Ercília, advogada, Jânio, engenheiro civil, e João Alfredo, administrador de empresas. (Ig e Valores de Cantagalo, fls. 34)

4.2 José de Aquino Pinheiro Primo, n. cerca de 1877 em Cantagalo, c. 1ª vez em 1904 com sua tia Polínia Vieira de Carvalho Pinheiro, f. de Antônio Vieira de Carvalho e Souza e Maria das Dores Coimbra Vieira de Carvalho.
          C. a 2ª vez em 1913 com Emília Arruda, n. cerca de 1887, Duas Barras (RJ), f. de Francisco Bernardes Arruda, português e Maria Guimarães Arruda, brasileira, lavradores em Cantagalo. Testemunhas de casamento: Honório de Souza Brandão, 47 anos, casado, negociante em Cantagalo, José de Andrade Silveira e Ana Vieira Pinheiro (Ig).

4.3 Augusta Pinheiro de Andrade Figueira, n. Cantagalo, c. Carmo (RJ), com Luís Marcondes de Andrade Figueira, n. MG ou RJ, funcionário público em Duas Barras e lavrador em Cantagalo, f. do conselheiro doutor Domingos de Andrade Figueira, advogado, e Teodora Marcondes de Andrade Figueira, brasileiros, capitalistas, residentes no Rio, com pelo menos (Ig):

5.1 Sílvio Pinheiro de Andrade Figueira, n. 1890, Campo Largo, SP, registrado em Duas Barras, RJ, em 1902.

5.2 Antônio Pinheiro de Andrade Figueira, n. 1895, Cantagalo.

5.3 Maria Augusta, n. 1898, Cantagalo.

5.4 Dr. Ari Pinheiro de Andrade Figueira, n. 1901, Cantagalo, cc. sua prima Maria Rita Pinheiro, com um filho e uma filha, ambos advogados (Ig e TC.2.318).

5.5 Maria Teodora Pinheiro de Andrade Figueira, n. 1905, Duas Barras (Ig).

4.4 Joaquim de Andrade Silveira Pinheiro, n. por volta de 1874, brasileiro, lavrador no Município de Cantagalo (testemunha do casamento de Antônio Luís Pinheiro Júnior, acima), cc. Olívia Jardim Pinheiro, f. de José de Souza Jordão e Orminda da Silveira Jordão, já f. 1895, com pelo menos (Ig):

5.1 José, n. 1895, Carmo.

5.2 Joaquim de Andrade Silveira Pinheiro (hipótese), n. cerca de 1903.

2.3 Albino Francisco Correia, Visconde de São João da Madeira (f. de "João Luiz Pinheiro e Maria Luísa Ribeiro?"), n. 1850, f. 1923, embarcou aos 12 anos para o Brasil, estabeleceu-se no Rio, prosperou bastante, empenhou-se em obras humanitárias, e obteve o título de Visconde, por decreto de 1902, do Rei D. Carlos, de Portugal, cc. Genoveva Marques Correa, Viscondessa de São João da Madeira, com: Manuel Dias Garcia e Luísa Correia. (Processos da Nobreza Brasileira, do Museu da Justiça do RJ).
- Obs.: A confirmar: deve haver algum engano aqui. Pela data de nascimento tardia (e provavelmente na Madeira, o "pai" já estava aqui em 1804). Permaneceu no Rio, não constando ter procurado a família, que estava tão próxima.

1.2 Manuel Luís Pinheiro, padrinho de batismo em Cantagalo em 1806, 10 e 11 e, novamente, com o seu pai Vicente Luís Pinheiro, em 1813, cc. Maria do Carmo Honorata, madrinha de batismo em Cantagalo em 1817 (HB).

2.1 Francisco Luís Pinheiro (hipótese), já f. 1890, fazendeiro, definidor da Irmandade de Nossa Senhora da Conceição, em Duas Barras, cc. Ana Maria Pinheiro, já f. 1911, brasileira, residiram também em Cantagalo, com pelo menos (AL e Ig):

3.1 Júlia Luísa Pinheiro de Freitas, n. RJ, c. Duas Barras, com Manuel Vieira de Freitas, n. RJ, industrial e lavrador em Cantagalo, f. de Manuel Antônio de Freitas e Felismina Vieira de Carvalho ou Vieira de Freitas, brasileiros, já falecidos em 1895, com pelo menos (Ig):

4.1 Pedro Vieira de Freitas Sobrinho, n. 1895.

4.2 Aníbal, n. 1898, Córrego da Prata, Carmo.

4.3 Sebastiana Vieira de Freitas, n. 1906, em terras da Fazenda Boa Vista, Euclidelândia.

4.4 Vivalde, n. 1911, Córrego da Prata.

3.2 Maria Ana Pinheiro, n. Duas Barras, c. Cordeiro ou Duas Barras, com Joaquim Dias Pinheiro, n. Duas Barras, lavrador e negociante, f. de Avelino Luís Pinheiro e Quenciana Maria da Conceição ou de Jesus, já falecidos em 1890, com geração adiante.

3.3 João Francisco Pinheiro, lavrador, n. Duas Barras, onde cc. Maria da Cruz Pinheiro, n. Guarani, MG, f. de Rita de Castro Pinheiro, com entre outros (Ig): Maria José Pinheiro (1ª filha), n. 1891, Rita da Cruz Pinheiro (2ª filha), n. 1892, Alice da Cruz Pinheiro (3ª filha), n. 1893, na Vista Alegre, Olga da Cruz Pinheiro (5ª filha), n. 1896, e José Francisco Pinheiro (6º filho), n. 1897, todos em Duas Barras.

3.4 Maria Luísa Pinheiro Diniz, n. Duas Barras, onde cc. Augusto José Diniz, n. da mesma cidade, lavrador, f. de Felipe José Diniz Júnior e Rita Maria de Jesus Dias Ladeira, com entre outros: Augusta Maria Diniz (1ª filha), n. 1892 e Maria Diniz (2ª filha), n. 1893, ambas em Duas Barras. (DBB e Ig).

4.3 Iva Maria Diniz de Freitas (3ª filha), n. 1898, Duas Barras, cc. Francisco Vieira de Freitas, f. de outro Francisco Vieira de Freitas e Henriqueta Marinho Duarte de Freitas, com pelo menos duas filhas gêmeas:

5.1 Maria Luíza de Freitas, n. 1923.

5.2 Maria Augusta de Freitas. 

4.4 Leonor Maria Diniz (4ª filha), n. 1901, Duas Barras.

3.5 Ezequiel Luís Pinheiro, n. cerca de 1872, RJ, lavrador em Duas Barras, testemunha de casamento em Cantagalo em 1898, ano em que já era cc. Alzira Emília Pimentel Pinheiro, n. cerca de 1878, RJ, f. de Arão José Chaves e Ana Emília Pimentel, com entre outros (Ig): 

4.1 Anazilda Emília Pinheiro de Freitas (2ª filha), n. 1898, Duas Barras, c. 1919, Cantagalo, com José Vieira de Freitas, n. 1897, RJ, negociante, residente na Fazenda Vargem Grande, Cantagalo, f. de Francisco Vieira de Freitas e Henriqueta Marinho Duarte de Freitas, 58 anos, brasileiros, lavradores, todos residentes em Cantagalo. Testemunha do casamento: José de Aquino Pinheiro Primo.
          Tiveram pelo menos (Ig):

5.1 Maria José de Freitas, n. 1925, Cantagalo.

4.2 Augusta Emília Pinheiro, n. 1900, Duas Barras.

4.3 Lourenço Luís Pinheiro (6º filho), n. 1906, Duas Barras.

2.2  Avelino Luís Pinheiro (hipótese), cc. Quenciana Maria da Conceição ou de Jesus, já falecidos 1890, com pelo menos (Ig): 

3.1 Joaquim Dias Pinheiro, n. Duas Barras, lavrador, c. Cordeiro ou Duas Barras, com Maria Ana Pinheiro, n. Duas Barras, f. de Francisco Luís Pinheiro e Ana Maria Pinheiro, com pelo menos (Ig):

4.1 Ana Maria Dias, n. 1890, no Riachuelo, Duas Barras.

4.2 Francisco Dias Pinheiro (5º filho), n. 1893, Duas Barras.

4.3 Antônio Dias Pinheiro (6ª filha), n. 1894, Duas Barras.

4.4 Júlia Dias Pinheiro (7ª filha), n. 1897, Duas Barras.

2.3 Antônio Luís Pinheiro (hipótese, que também pode ser um dos acima), cc. Avelina Pinheiro, com pelo menos (Ig) :

3.1 Angélica Pinheiro Vitoriano da Silva, n. Cantagalo ou Duas Barras, c. Duas Barras, com Manuel Vitoriano da Silva, n. Carmo, lavrador, f. de Vitoriano da Silva e Maria Dias da Silva, com pelo menos:

4.1 Alcides Vitoriano da Silva, n. 1889, Fazenda Riachuelo, Duas Barras.

4.2 Olmindo Vitoriano da Silva (5º filho), n. 1893, no Riachuelo, Duas Barras.

 

Nota nº 1: A) Neste item utilizamos também informações constantes da biografia do Visconde, elaborada pela professora e poetisa cantagalense, Amélia Tomás. B) No livro Terra de Cantagalo, Vol. 2, pág. 298, Joaquim Luís Pinheiro é tido como filho e não neto de Vicente Luís Pinheiro.

Nota nº 2: As informações sobre este filho e o seguinte foram gentilmente enviadas pela sua descendente, Sra. Edilea Simone de Aquino Moraes, depois de Carvalho, n. Londrina, PR, residente em Miami, FL, USA.  

Nota nº 3: Recebemos importantes informações deste ramo, por gentileza do doutor Plínio Vieira Pinheiro, acima, descendente do casal.

Nota nº 4: A geração deste casal foi, gentilmente, enviada pelo amigo, genealogista, Luiz Isse de Castro, de São José dos Campos, SP.

 

Ir para: Página Principal,    Índice Geral,    Imigração árabe,    Títulos Perdidos,      Tiradentes    Batch Number,     Códigos e Bibliografia