GENEALOGIA BRASILEIRA
Estado do Rio de Janeiro - Povoadores da Região Serrana

Família SOARES

                                 Lênio Luiz Richa (lenioricha@yahoo.com.br)

 

 

          Manuel João Soares, n. Funchal, Ilha da Madeira, Portugal, c. em Minas Gerais, Brasil, com Maria dos Santos Ferreira (viúva de Antônio Francisco da Silva), f. de Felipe dos Santos Ferreira, n. Cotia, SP, e Ana Gonçalves de Camargo, n. São Sebastião, Mariana, MG (vide toda a ascendência dela, até ao início da colonização do Brasil, no Título Lopes Silvas), np. de Gaspar dos Reis e Maria dos Santos, naturais de Carcavelos. A esposa teve (VT.1.37):
          Do 1º marido:

1.1 Ana Francisca da Silva, c. 1750, com José Antônio Correia do Lago, f. de Lourenço Correia do Lago e Domingas Francisca, naturais de Santa Maria de Galegos, foram, provavelmente, os pais de (VT.1.37):

2.1 Antônio Cláudio Correia do Lago (sobrinho e herdeiro do tenente Joaquim José Soares, adiante), n. MG, juiz de órfãos, f. 1804, Cantagalo, solteiro, em sua casa na Fazenda do Rosário, possivelmente o mesmo Antônio Cláudio Lago mencionado como 3º ex-proprietário da sesmaria, no sertão de Macacu, solicitada em 1802 por Francisco Gonçalves Gato (AN, HB e MP).

          Do 2º marido:

 

1.2 Caetana Maria Angélica Soares, cc. o alferes Francisco José Soares, com pelo menos (HB e VT.1.37): 

2.1 Maria José Lucinda Soares Teixeira, n. Fazenda São Lourenço, São José de Barra Longa, MG, madrinha de batismo em Cantagalo, RJ, em 1814 e 16, herdou do seu tio Joaquim José Soares a Fazenda São Caetano, nas margens do Rio Macabu, em São Francisco de Paula, em 1818, que ainda possuía em 59 (vizinha à Fazenda Soledade, de Eleutério Bernardes de Souza, à Fazenda Senhor dos Passos e às terras de Francisco Figueira da Silva).
          C. 1834, Cantagalo, com o doutor Carlos Teixeira da Silva, da Candelária, Rio, f. do tenente José Teixeira dos Santos e Maria Madalena Teixeira. Testemunhas do casamento: Manuel Pinto de Souza Sampaio e João Lopes Martins (AL, AP e HB).

3.1 Maria Cândida Soares Teixeira Machado (hipótese), n. RJ, funcionária pública, vizinha da posse São Gonçalo (de José Vieira de Carvalho), em 1856, já viúva em 1903, cc. Manuel Teixeira Machado, português, “natural da Ilha”, negociante no Córrego da Prata, Carmo, RJ, em 1902, com pelo menos (AP, HB e Ig): 

4.1 Maria Cândida Teixeira Machado Peres, depois Monteiro, n. RJ, já f. 1910, c. 1ª vez, com Manuel Antônio Duarte Peres, n. cerca de 1858, Portugal, “brasileiro adotivo”, negociante e fazendeiro no Córrego da Prata, f. de Manuel Duarte Valente Peres e Rosa Ermelinda Correia Peres. 
          C. 2ª vez, 1898, com José Augusto Henriques Monteiro, n. 1873, RJ, já f. 1903, farmacêutico no Córrego da Prata, f. de Fernando Augusto Henriques Monteiro e Maria de Araújo Seixas Monteiro, com geração deste na família Henriques Monteiro, do amigo genealogista Henrique Bon (HB e Ig).
                                      Do 1º marido teve:

5.1 Alcides Duarte Peres, lavrador, cc. Dagmar dos Santos Peres, brasileira, f. de Joaquim José dos Santos Vieira Júnior e Francisca Emídia dos Santos Vieira, com pelo menos (Ig):

6.1 Nelson, n. 1908, Córrego da Prata.

6.2 Maria Cândida, n. 1910, Córrego da Prata.

6.3 Sebastião Geraldo, n. 1912, Córrego da Prata.

 

5.2 Rosa Cândida Peres, n. 1891, no Córrego da Prata, onde foi testemunha de casamento em 1911.

 

4.2 Tude Cândida Teixeira Monteiro, n. RJ, c. 1900, com Fernando Augusto Henriques Monteiro (viúvo de Maria de Araújo Seixas Monteiro), n. 1846, Cantagalo, já f. 1903, farmacêutico no Córrego da Prata, Carmo, f. de João Henriques Monteiro e Maria Cacemira de São José Ferreira Monteiro, com geração na família Henriques Monteiro (HB, Ig e O Sobrado, 172).

4.3 Manuel Teixeira Machado Júnior, n. RJ, lavrador e funcionário público, cc. Maria da Fonseca Ramos Teixeira, n. RJ, f. de Jorge Augusto da Fonseca Ramos e Quenciana Vieira de Carvalho Ramos, com pelo menos (AL e Ig):

5.1 Francisco, n. 1897, Córrego da Prata (Ig).

5.2 Guaracy, n. 1900, Córrego da Prata. Padrinhos: Fernando Augusto Henriques Monteiro e sua esposa Tude Cândida Teixeira Monteiro.

5.3 João Batista, n. 1902, Córrego da Prata.

5.4 José Carlos, n. 1906, Córrego da Prata.

 

4.4 Isabel Cândida Teixeira Peres Galvão, n. RJ, c. Córrego da Prata, com Antônio Peres de Noronha Galvão, n. Portugal, lavrador e negociante no Carmo, f. de Manuel Soares Duarte Valente Peres e Rosa Ermelinda Correia Pereira da Cunha, com pelo menos (Ig):

5.1 Osvaldo, n. 1897, Córrego da Prata. Testemunhas: Fernando Augusto Henriques Monteiro e Fernando Augusto Henriques Monteiro Júnior.

5.2 Inocêncio, n. 1898, Córrego da Prata. Padrinho: Padre Inocêncio Peres de Noronha Galvão, residente em Portugal, por procuração.

5.3 Antônio, n. 1903, Córrego da Prata. 

 

4.5 Mário Teixeira Machado, n. RJ, cc. Maria José de Abreu Teixeira, n. RJ, f. de Jerônimo Ferreira de Abreu e Luísa Cândida de Abreu, residentes no Carmo, com pelo menos (Ig): 

5.1 Maria Luísa, n. 1909, Córrego da Prata.

5.2 Francisco, n. 1912, Córrego da Prata. 

 

3.2 Delfina Soares Teixeira (hipótese, f. do doutor Carlos Teixeira “Soares” e Maria José Soares  Teixeira), cc. o doutor Leonardo José Teixeira da Silva, médico, um dos fundadores do Hospital Nossa Senhora das Dores, de Ponte Nova, MG, f. do tenente Manuel José Martins da Silva e Ana Leonarda da Conceição, n. 1782, Furquim, MG, com geração no livro Velhos Troncos Mineiros, Vol. 2, fls. 24, do cônego R. Trindade.

 

2.2 José Joaquim Soares de Azevedo, proprietário da Fazenda das Lavrinhas em 1818, parte por herança do tio Joaquim José Soares e parte por compra aos outros herdeiros, foi padrinho de batismo em Cantagalo em 1816, juntamente com "sua irmã Maria José Lucinda Soares", acima, e representou a Câmara de Cantagalo na aclamação de Dom Pedro I, em 1822. Falecido em 1832, com 42 anos, deixou a fazenda para 4 filhas solteiras, a mais velha das quais chamava-se Constança (CE.131, HB, MJ, TC.1.31 e 2.23).
          Ele ou um dos Joaquim José Soares pode ter sido cc. Francisca Guerreiro Bogado, como parece denotar o registro efetuado pelo seu inventariante Manuel Teixeira de Souza Júnior (inventariante e herdeiro também do tenente Joaquim José Soares), que permite pelo menos duas interpretações, no qual declarou em 1856: “As plantas da Sesmaria da Guerreiro, que pertencem aos herdeiros de José Joaquim Soares, por herança do seu tio, o tenente Joaquim José Soares, e parte por compra que fiz à mulher do mesmo, Dona Francisca Guerreiro, e a Firmino Alves de Oliveira” (AP).
          Um José Joaquim Soares (vide Nota nº 1, no rodapé), provavelmente este, teve de Fortunata Bernardina de Melo, pelo menos o filho (DBB):

3.1 Cap. José Joaquim Soares Júnior, n. Cantagalo ou MG, funcionário público, vereador e suplente de delegado em Cantagalo, dono da Fazenda Sossego, em São Francisco de Paula (comprada de João Batista Furtado, antes de 1856, que delimitava com Manuel Antônio Pereira Bravo, com as Fazendas Barra dos Passos e Nossa Senhora da Conceição, com a Fazenda Boa Vista, de João Lopes Martins e, com a situação Não Pensei, esta do próprio José Joaquim Soares e, ainda, com Paula Alves de São Pedro e filhos, no Rio Grande).
          Cc. Matilde Polucena Barbosa Soares, n. Cantagalo, já f. 1893, f. do capitão João José Barbosa e Ana Polucena da Silveira, com pelo menos (AL, AP, DBB, Ig e Int):

4.1 Eudóxia Soares de Iliers, c. Cordeiro, RJ, com José de Iliers, brasileiro, f. de Henrique de Iliers e Antônia de Iliers, com pelo menos (Ig): 

5.1 Nadina de Iliers, n. 1893, Euclidelândia (Ig).

 

4.2 João José Soares, n. RJ, maior, solteiro, lavrador em Cantagalo, onde declarou nascimento em 1893.

4.3 Claudiana Soares Salgado, n. RJ, cc. Guilherme de Faria Salgado, n. Cantagalo, negociante em Cordeiro, escrivão de paz entre 1900 e 1910, f. de Antônio de Faria Salgado e Francisca Freire de Faria Salgado, brasileiros, com pelo menos (Ig, Int e TC.II.134):

5.1 Lafaiete de Faria Salgado, escrivão, n. 1895, Cantagalo ou Cordeiro, com grande geração em Cantagalo, constante do livro “O Sobrado”, do doutor João Nicolau Guzzo, fls. 198.

 

4.4 Maria do Nascimento Soares Pires, n. Cantagalo, já f. 1910, c. 1874, Trajano de Morais, com Felisberto Ferreira Pires, n. 1855, b. 1856, nesse município, f. de Antônio Ferreira Pires e Carolina Bernardina de Melo Moraes ou do Espírito Santo, com geração na família Ferreira Pires (CBG, DBB e Ig). 

4.5 Basília, n. 1874, b. 1875, Trajano de Moraes (DBB).

 

2.3 Bento Joaquim Soares (hipótese), que também poderia ser sobrinho, foi “testemunha de um negócio em 1819”, em Cantagalo (Int).

 

1.3 Maria Tomásia Soares, cc. o alferes Francisco da Silva e Almeida, f. de Tomás da Silva Pinto, n. Caparica, e Josefa de Almeida Guerra, n. Santos, SP, com pelo menos (VT.1.37 e 314): 

2.1 Ana Francisca da Silva, b. 1776, São Caetano, MG, c. 1796, com o alferes João Pereira da Costa, b. 1776, Barra Longa, f. do Guarda Mor João Gomes Pereira e Maria Inácia da Costa.

3.1 João Pereira da Costa (hipótese), testemunha em Cantagalo em 1843 (HB).

 

2.2 Caetana Simpliciana Angélica da Silva, c. 1817, São Caetano, MG, com Antônio Norberto Gomes, b. 1779, f. do Guarda-Mor João Gomes Pereira e Maria Inácia da Costa (VT.1.315).

 

1.4 O tenente da Cavalaria Auxiliar de Minas Gerais, Joaquim José Soares, provavelmente natural de Mariana, MG, tesoureiro da Guarda-Moria em Cantagalo, assumiu a Superintendência Geral “ad-hoc”, em 1805, após o falecimento do Guarda-Mor, que estava respondendo pela mesma, f. 1817, com 67 anos. Chegou a Cantagalo em 1787, em 1793 foi referido como ex-proprietário da sesmaria solicitada por Francisco Ferreira Guimarães e pediu confirmação de sua Sesmaria das Lavrinhas em 1789.
          Cc. Francisca de Sales Fidélis de Godoy Soares (vide Nota nº 2), n. São Sebastião, f. 1830, f. de Domingos Gonçalves Torres e Violante de Godói e Castro, nm. do Sarg-Mor Bernardo Espíndola e Castro, n. NS de Guadalupe, Ilha da Graciosa, Açores, e Maria de Godoy, n. da Capela da Penha, Parnaíba, SP (Segundo VT.2.353, "ligam-se à família Raposos Góes, de SP", mas parece que foram omitidos por SL, no Vol. 3, fls. 66, onde se encontram os "Espíndola de Castro", naturais da Graciosa).
          "Desta família descendeu Joaquim Soares Teixeira Neto, que descendia, também, de Artur Teixeira". Há dúvida se houve filho deste casamento, mas teve os diversos herdeiros referidos nesta página (AN, HB, TC.1.31, VT.1.37 e 2.353):

2.1 Joaquim José Soares (vide Nota nº 3), que também herdou do anterior, presidente da Câmara em 1828 e 1841, em 1833 era dono da Fazenda das Lavrinhas e, em 38, foi padrinho de batismo em Cantagalo, juntamente com Josefa Leopoldina Soares Teixeira, a seguir. Os seus herdeiros eram vizinhos da Fazenda do Monte Alegre, do tenente Antônio Machado Botelho, em 1856 (AP, CE.142, HB, MJ e TC.I.221).

2.2 Josefa Leopoldina Soares Teixeira (filha do tenente Joaquim José Soares, "em Minas Gerais"), da Capela de Paulo Moreira, São Caetano, MG, cc. o tenente-coronel Manuel Teixeira de Souza Júnior, da Candelária, Rio, comendador, dono das Fazendas Lavrinhas e Retiro, em Cantagalo, que pertenciam à sua viúva e filhos, de 69 a 94, f. do Cap. Manuel Teixeira de Souza e Isabel Vitória de Souza, com geração na família Teixeira de Souza (AL, HB e Ig).

 

Nota nº 1: Neste ramo tivemos substancial colaboração do amigo genealogista Darli Bertazzoni Barbosa, de Londrina, Paraná.

Nota nº 2: Tanto o marido quanto a mulher são descendentes dos paulistas quatrocentões (como são conhecidas as primeiras famílias que vieram para São Paulo no início da colonização do Brasil), ele dos Camargos e ela dos Raposos Góis (VT.1.37 e 2.353).  

Nota nº 3: O livro Terra de Cantagalo diz que é filho do tenente Joaquim José Soares mas, segundo o amigo genealogista cantagalense Henrique Bon, seria sobrinho e não teria havido geração do matrimônio do tenente.

 

Ir para: Página Principal,    Índice Geral,    Imigração árabe,    Títulos Perdidos,      Tiradentes,     Batch Number,     Códigos e Bibliografia