GENEALOGIA BRASILEIRA
Estado de Minas Gerais - Tiradentes e seus contemporâneos

 

                                                               Lênio Luiz Richa (lenioricha@yahoo.com.br)

 

                                             MANOEL ANTONIO DE MORAIS

3 - 

2 - 

 

               ASCENDENTES DELE

1 - Manoel Antônio de Morais, n. Mogadouro, Comarca da Torre de Moncorvo, Braga, f. do Dr. Antônio de Morais Pinto e Ana Maria de Aguiar, solteiro e fazendeiro em Serro Frio.
Em 1789 tinha 48 anos e ocupava o cargo de Sarg. Mor de Ordenanças em Minas-Novas e morava em Congonhas de Cima do Serro Frio. Em seu primeiro depoimento admitiu que, na conversa que tivera com o Alferes Silva Xavier (que lhe oferecia umas terras e lavras no Registro de Paraibuna), o militar mostrou-se "desgostoso deste país", pois "tinha feito muitos serviços a Sua Majestade", e que nem por isso era premiado". Vê-se que quem estava mais próximo da verdade sobre o teor da conversa era Basílio de Brito Malheiro do Lago, que em seu depoimento disse que ele se hospedava na casa de José Joaquim da Rocha, onde Tiradentes ia sempre.
Interrogado em 4 de agosto de 1789 pelo Desembargador Pedro Saldanha, Morais negou que tivesse conversado com Tiradentes sobre levante, o assunto fora venda de terras. (A.1.148, 4.178 e A Inconfidência Mineira, de Márcio Jardim, fls. 273, este pesquisado pela amiga, genealogista, Jussara Fernandes Carvalho, de Varginha, MG).

               ASCENDENTES DA ESPOSA

2 - 

3 - 

 

Nota nº 1:

Um Manuel Antonio de Morais, foi referido como "natural de Bragança", casado no Rio, 43 anos, vivia da sua agência. (A.4.72). E também poderia ser referência ao mesmo: Antonio de Morais, "paulista", que ajudou ao Tiradentes. (A.8.146).

 

Ir para: Página principal,    Índice Geral,     Região Serrana,    Imigração árabe,    Títulos Perdidos,    Batch Number,     Bibliografia e códigos